Início Dr. Responde O que é Amputação Transfemoral?

O que é Amputação Transfemoral?

0
Marinalva-Conforpés
Marinalva Almeida

Também conhecida como amputação de coxa, a amputação transfemoral ocorre entre a articulação do quadril e o joelho.

Ela pode ser uni, quando apenas o fêmur de uma das coxas é seccionado, ou bilateral, quando os ossos das duas pernas são amputados. Duas pessoas muito queridas na Conforpés, que passaram por esse procedimento cirúrgico, foram:  a Giovanna Camargo, que nasceu com uma malformação congênita no fêmur, e a Marinalva Almeida, que aos 15 também precisou amputar parte do fêmur esquerdo, após um acidente de moto.

Assim como na amputação transtibial, a transfemoral também ocorre em 3 níveis: proximal, médio e distal. É através destes níveis de amputação, que o profissional responsável conseguirá definir a melhor prótese para cada pessoa. De acordo com o fisioterapeuta, Dr. Raphael Sancinetti, o mais indicado para esta amputação é o terço médio, pois possibilita um maior conforto e melhor encaixe para membros inferiores.

Segundo Dr. Sancinetti, o tempo de adaptação à protetização da amputação transfemoral varia de pessoa para pessoa, entretanto, estes amputados costumam ter uma reabilitação mais complexa, devido alguns padrões encontrados, que precisam ser trabalhados frequentemente.

 


Giovanna-Conforpés
Giovanna Camargo

PRÓTESES ORTOPÉDICAS E ADAPTAÇÃO DA AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL

Além do período para estabilização da postura e equilíbrio, outro desafio que os amputados enfrentam, é a escolha e o manuseio dos joelhos protéticos. Há uma infinidade de opões para o paciente escolher, como o 3R80, 3R78 ou Mauch Knee, por exemplo. Por isso, é muito importante estar inteirado sobre os comparativos entre joelhos protésicos, e levar em consideração a indicação do profissional responsável pela reabilitação.

Apesar das adversidades ao longo da readaptação, o amputado pode encontrar apoio para superar os desafios psicológicos pós amputação, através da psicoterapia, do apoio das pessoas queridas e também da fisioterapia – essa última é indispensável, pois é a responsável por ensinar o enfaixamento correto do coto, os exercícios diários, a marcha, reestabelecer o equilíbrio e minimizar síndromes, como a dor do membro fantasma. O mais importante é ter em mente que o amputado não está sozinho para viver a nova realidade.

Se você gostou desse post sobre amputação transfemoral, siga nossas páginas nas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações! Estamos no Facebook e no Instagram!

Quer ficar por dentro das nossas Novidades?
CLIQUE AQUI